É tão fácil tornar uma cidade adequada para a bicicleta

segunda-feira, 14 de junho de 2010

.


Será então que as cidades são praticamente apenas voltadas ao "conforto" dos carros, digo, dos motoristas, porque a indústria automobilística é mais rica, mais influente políticamente (através de seus lobbys no Planalto e em tantas cidades brasileiras), investe mais em publicidade e propaganda do que a indústria de bicicletas?

Será que atualmente as ruas, estradas e rodovias são praticamente a única opção pelo mesmo motivo, já que as ferrovias do país e a frota de navios de cabotagem (navegação realizada entre portos interiores do país pelo litoral ou por vias fluviais.) foi desmantelada e sabotada deste a chegada ao Brasil de coorporações multinacionais do setor automobilístico e nunca se investiu verdadeiramente/massissamente em ciclovias e transportes coletivos como ônibus, metrôs e bondes?

Será que nossas vidas (aqueles que convivem/quase que competem diariamente com os carros) tem sua qualidade tão degradada pelo barulho (o barulho das cidades é o barulho dos carros), pela falta de espaços públicos para convivio entre as pessoas (praças, calçadas, etc), pela falta de alternativas de transporte, pela degradação do ar que respiramos, pela desumanização dos espaços urbanos por esse mesmo motivo, o número cada vez maior de carros circulando (ou travando) as vias e espaços da cidade?

Será que esse número de automóveis só cresce a cada ano (de 2000 a 2009 foi um crescimento de 42,2% - um acréscimo de 14 milhões, quinhentos e sessenta e tês mil, novecentos e setenta e sete carros nas ruas  - fonte Denatran) devido a uma cultura dominante na sociedade que determina que o carro significa ascensão de status social, que toda pessoa tem o direito e dever de possuir o seu próprio carro e que, além disso, carros significam liberdade, adrenalina, confiança, segurança [matando cerca de 35.753(2005) pessoas por ano no Brasil], sucesso profissional, sucesso amoroso ("compre um carro e conquista a mulher que desejas"), aventura, entre tantos outros atributos subjetivos artificiais criados pela indústria através de publicidades e propagandas das mais diversas?

Será? que nos fazemos essas perguntas?

Referência: LUDD, Ned. Apocalipse Motorizado. Conrad Editora.
Bicicletada Natal

2 comentários:

Bicicletada Natal disse...

E você, já se fez essas perguntas?

Quais foram as respostas, quais as conclusões?

Élmano Ricarte disse...

http://www.dnonline.com.br/ver_noticia/43604/

LEIA A NOTÍCIA...

 

FACEBOOK

Quando acontece?

Quando: toda última sexta-feira do mês.
Onde: concentração no IFRN, Salgado Filho.
Horário: a partir das 19 horas e saída as 19:30hs.

O roteiro (suscetível a alterações a qualquer tempo) é definido no ato da concentração.

Qualquer um pode participar, não importa o sexo ou a bicicleta, não fazemos competição, não fazemos só um passeio, fazemos ciclopasseata, cicloativismo, paramos em sinais, abrimos faixas, cartazes, panfletamos, conversamos com motoristas e nos divertimos muito assim, promovendo a bicicleta na cidade.

Então, chame seus amigos e junte-se a nós!
Leve faixas, cartazes, placas, personalize sua bike, ou seja, use sua criatividade para transmitir à cidade nossos ideias.
A participação é livre e gratuita, venham para somar.

É desejável o uso de equipamentos de segurança como capacete e luzes sinalizadoras.

Menores de idade somente acompanhado de um responsável.

Pense a respeito

"Não é demonstração de saúde ser bem ajustado a uma sociedade profundamente doente". - Krishnamurti

"Nunca duvide que um pequeno grupo de pessoas motivadas e comprometidas possa mudar o mundo" - Margaret Mead

"Posso não conseguir mudar o mundo, mas vou me divertir tentando" - Anônimo

"Precisamos em Natal na verdade, é de Mobilidade Humana" - Milena Trigueiro

"Bicicletada Natal, não é um grupo de passeio, é um estado de espírito" - Clebson Melo

Sem Ciclos

Sem Ciclos
É um blog desenvolvido pela Bicicletada Natal/RN para catalogar os acidentes envolvendo ciclistas no estado. Tem por objetivo argumentar a necessidade da estrutura e da segurança para os ciclistas, de forma que entada-se que o uso da bicicleta está além da diversão e lazer e que para tanto, necessita de políticas que enxerguem a necessidade de trabalhar esse modal em todos os seus aspectos. Sabe de alguma ocorrência de acidente com ciclista? Informe-nos aqui.